Terra 2.0. A descoberta que empolgou toda uma geração científica

0
464

Kepler 452b, esta denominação um tanto esquisita é o nome de uma das maiores descobertas científicas dos últimos anos. Os cientistas da NASA, integrantes da Missão Kepler, anunciaram nesta quinta-feira, 23, a descoberta de um novo planeta, possivelmente habitável, e com características muito parecidas com as da Terra.

De denominação vulgar Terra 2.0, o novo planeta é considerado a maior descoberta da missão Kepler, e um marco nas missões à procura de uma ‘nova terra’. Segundo Jon Jenkins, lider da equipe e analista de dados do centro de pesquisas da Califórnia, a Terra 2, que é cerca de 60% maior do que nosso planeta, pode ser equiparada a um primo maior e um pouco mais velho da terra. Dentre as características similares, destaca-se o fato de que o 452b também gira em torno de um sol, e está numa distancia considerada favorável à existência de vida, ou seja, nem muito próximo e nem muito distante do sol. Inclusive, sua temperatura é também semelhante à temperatura da terra.

Segundo os cientistas, o Kepler 452b leva 385 dias para dar uma volta completa ao redor de sua estrela, apenas 20 dias a mais do que a terra, que demora 365. Sua estrela, a Kepler 452, é cerca de 1,5 bilhão de anos mais velha do que o nosso sol, e mais brilhante também. Ainda não se pode afirmar a composição do planeta, mas pesquisas anteriores apontam que há grande possibilidade de que seja rochoso. Nessas condições, o planeta recém-descoberto passou cerca de 6 bilhões de anos na chamada Zona Habitável de sua estrela, mais tempo do que a terra até o presente momento.

“Essa é oportunidade substancial para a vida a surgir, todos os ingredientes e as condições de vida necessárias devem existir neste planeta.”, disse Jenkins.

A missão Kepler

Lançada em 6 de março de 2009, a sonda Kepler consiste num observatório espacial, projetado pela NASA, cujo objetivo é observar as 100 mil estrelas mais brilhantes do céu por cerca de quatro anos, à procura de possíveis planetas.

O diagnóstico sobre a existência de um planeta acontece pela observação de interferências na luz dessas estrelas causadas por um corpo próximo, mais ou menos como acontece nos eclipses, que estamos acostumados a ver. Pesando cerca de 995 kg, a sonda possui um fotômetro de 0,95 metro de diâmetro, e captura uma foto a cada três segundos.

Gostou deste artigo? Deixe um comentário!