Novo Centro Cultural é inaugurado em São Paulo com extensa programação

0
6

Localizado na Barra Funda, o Centro Compartilhado de Criação, CCC, abre suas portas oficialmente no dia 25 de novembro, quarta-feira, com uma programação que traz teatro, exposição, show e festa. O centro cultural, que pertence ao ator Caco Ciocler e ao produtor Ricardo Grasson, tem como proposta ser mais uma opção para as atrações culturais de São Paulo, além de servir como sala de ensaio para grandes produções, estúdio de coworking e oficina de figurino e cenário. O local também conta com um café e poderá abrigar exposições de artes plásticas e fotografia.

O CCC ocupa um galpão de 1.200 m2 e o seu modelo foi baseado em sede de grandes cias europeias, como o Théâtre du Soleil, com a diferença que ele irá atender a artistas e grupos diversos.

Sempre achei que São Paulo precisasse de um espaço que não só apresentasse à cidade uma programação de qualidade, mas que também fosse um local para que artistas pudessem produzir de maneira centralizada e com calma. Também podemos receber artistas para fazerem residência e ser um espaço para difundir conhecimento”, diz Caco Ciocler

Para os produtores, o Centro Compartilhado de Criação também traz alguns diferenciais interessantes, como um pé direito de sete metros.

Temos uma altura que permite as produções ensaiarem com o seu cenário, algo que não temos disponível em SP. Com isso, as peças já chegam ao público mais prontas, com o elenco familiarizado com todos os elementos cênicos. O espaço ainda dispõe de oficinas para confecção de figurino e cenografia, assim, temos condições de receber toda as fases de uma produção aqui. Nossa ideia é que o espaço seja também um ponto de encontro para a classe artística de São Paulo”, explica Ricardo Grasson.

Mesmo sem estar 100% pronto, ao longo de 2015, o CCC recebeu os ensaios das produções de A Gaivota, direção de Nelson Baskerville, O Maestro do Rei, musical com Eduardo Lages dirigido por Ulysses Cruz, Nuvem de Lágrimas, musical com roteiro assinado por Anna Toledo inspirado no romance Orgulho e Preconceito, de Jane Austen, O Camareiro, peça com Tarcísio Meira e dirigida por Ulysses Cruz, Mantenha fora do Alcance do Bebê,Ludwig e Suas Irmãs e Fim de Partida, direção de Eric Lenate. E o CCC também já foi consultado pela equipe da Mostra Internacional de Teatro de SP para receber as oficinas de alguns grupos teatrais em 2016.

A ideia dos sócios é que a população da Barra Funda também esteja envolvida e adote a casa. Eles estão estudando uma proposta de descontos para os moradores da região em toda a programação, que, a partir do primeiro trimestre de 2016, passa a ter atrações regularmente.

Programação de abertura

Apesar de funcionar já alguns meses, somente agora o CCC abre suas portas para o público. Para marcar a estreia oficial, eles terão quatro dias de programação intensa. Na quarta-feira, dia 25 de novembro, a partir das 19h30, acontece a abertura da exposição Inquietudes de um mundo em mim, com obras do artista Hélio Moreira Filho, que também fará a curadoria do espaço de exposição do CCC. A mostra é composta por uma série de autorretratos que refletem as manifestações dos sentimentos causados a partir medos e repulsas do mundo em que vivemos.

No segundo dia da programação, 26 de novembro, quinta-feira, às 21 horas, Georgette Fadel, Lincoln Antônio e Juliana Amaral apresentam o espetáculo Entrevista com Stela do Patrocínio. O espetáculo conta a história de Stela do Patrocínio, nascida em 1941 e abandonada pela família na colônia psiquiátrica Juliano Moreira, onde viveu trinta anos, até morrer em 1997. Nos anos 1980, sua poética impressionou a artista plástica Neli Gutmacher, que gravou suas falas. Quinze anos depois, o material foi transcrito pela escritora Viviane Mosé no livro Reino dos bichos e dos animais é meu nome. Foi dessa obra que surgiu o espetáculo.

Plano Sobre Queda, peça do cariocas do Áreas Coletivo de Arte dirigida por Miwa Yanagizawa, se apresenta nos dias 27 e 28 de novembro, sexta-feira e sábado, às 21 horas. Os atores Camila Márdila (premiada no Festival de Cinema de Sundance 2015 por sua atuação em Que horas ela volta?, de Anna Muylaert), Liliane Rovaris e Breno Nina dão vida ao texto de Emanuel Aragão. A peça narra a história de Cléo e Antônio. Cléo acaba de descobrir que vai morrer e, a caminho de casa, se aproxima de Isabela, garçonete que serve seu café todas as manhãs, e que passa a fazer parte da rotina dela e do marido. Na tentativa de contar a alguém de sua morte iminente, Cléo resolve propor ao marido e à amiga que esta a substitua em sua ausência.

No sábado (28 de novembro), a partir das 23 horas, ocorre uma festa com show da banda #NãoRecomendados. O grupo é formado pelos artistas Daniel Chaudon, Diego Moraes e Caio Prado e estreou com muito barulho em um apresentação no Teatro Ipanema, no Rio de Janeiro. A banda mistura música, performance, protesto e poesia. A noite ainda terá um set list formado pelas DJs e atrizes Carla Zanini e Angela Ribeiro. A apresentadora e atriz Luisa Micheletti fecha a pista.

A programação de abertura se encerra no domingo, dia 29 de novembro, às 20 horas, com a apresentação da peça45 Minutos, monólogo dirigido por Roberto Alvim e com um dos idealizadores do espaço, o ator Caco Ciocler. Escrito por Marcelo Pedreira, o texto conta a história de ator que é obrigado a entreter o público por exatos 45 minutos. Sem uma trama ou personagem no qual possa se amparar, este ator procura desesperadamente meios de preencher o tempo.

Gostou deste artigo? Deixe um comentário!