Relação entre a Ditadura Militar e o Jogo do Bicho é tema de debate em SP

0
3

Além do debate, que terá entrada gratuita, o evento contará com o lançamento do livro que inspirou o assunto, escrito pelos jornalistas Aloy Jupiara e Chico Otavio

Não é novidade que o movimento da Ditadura Militar tenha resultado grandes prejuízos à população e à história política do país. Mas o que pouca gente sabe é que, além dos movimentos de repressão, a aliança entre o militarismo e a contravenção teria sido a grande fagulha responsável pela profissionalização do crime organizado. Pelo menos é isso o que alegam os jornalistas Aloy Jupiara e Chico Otávio.

Os dois são responsáveis pelo livro: Dos porões da repressão para os subterrâneos da contravenção, título que será lançado oficialmente no dia 2 de abril, no Memorial da Resistência, e narra a história dessa suposta relação entre os governantes militares e os contraventores do Rio de Janeiro. O tema proposto pelo livro também encabeçará um debate sobre o assunto.

O evento, que acontece dentro do projeto Sábado Resistente, realizado em parceria com o Núcleo de Preservação da Memória Política, terá início às 14h do sábado, dia 2 de abril, com a presença confirmada do jurista Walter Maierovitch e dos dois jornalistas autores do livro

A investigação sobre o assunto começou quando o jornalista Aloy Jupiara, durante uma pesquisa, leu em um documento que um agente da repressão teria virado segurança particular de um bicheiro. Chico Otavio entrevistou o coronel reformado Paulo Malhães e descobriu que ele era um dos mais importantes elos entre a ditadura e a contravenção no Rio de Janeiro.

A partir dessas e de outras informações, os dois jornalistas decidiram investigar a fundo as relações entre o jogo do bicho e a repressão. O resultado foi uma série de reportagens sobre o assunto e, agora, a publicação do livro sobre o tema.

Com uma farta pesquisa em arquivos e jornais da época e entrevistas com militares, sambistas, historiadores e advogados, entre outras fontes, os dois autores revelam na obra como os agentes da ditadura passaram a atuar no crime organizado, em aliança com os bicheiros, após o desmonte do aparelho de repressão a partir do fim dos anos 70. Esses últimos se beneficiaram da benevolência dos governos militares para garantir segurança, território e organização para seus crimes. A troca de favores era macabra: depois de fazerem desaparecer corpos dos inimigos políticos da ditadura, os agentes da repressão também matavam e torturavam os inimigos ou quem estivesse no caminho dos contraventores.

Tanto o lançamento do livro Dos porões da repressão para os subterrâneos da contraversão, como o debate sobre o assunto, acontecerão no dia 2 de abril, sábado, no Memorial da Resistência. O evento é totalmente gratuito, e dará ao público a chance de conhecer a fundo essa história, e dialogar com os jornalistas responsáveis pela publicação. Confira os detalhes da programação abaixo:

14h00 | Boas vindas ao Memorial da Resistência, com Kátia Felipini Neves
14h30 | Coordenação, com Maurice Politi
16h00 | Sessão de perguntas e respostas do público
16h30 | Lançamento do livro e sessão de autógrafos

Onde: Memorial da Resistência
Quando: Sábado, 2 de abril, à partir das 14h
Endereço: Largo General Osório, 66 – Luz – Auditório Vitae – 5º andar
Ingressos: #VáDeGraça

Gostou deste artigo? Deixe um comentário!