Vá de Cultura
Publicidade

Pinacoteca de São Paulo detalha em vídeo a exposição Hudinilson Jr.: Explícito

Pinacoteca de São Paulo detalha em vídeo a exposição Hudinilson Jr.: Explícito
Divulgação
Publicidade

A Pinacoteca de São Paulo, museu da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo, divulga em suas redes sociais um vídeo detalhado sobre a exposição Hudinilson Jr.: Explícito, curadoria de Ana Maria Maia e assistência de Thierry Freitas, que ficou em cartaz na Pina Estação até dezembro de 2020 e teve as suas visitações impactadas pela pandemia. A ação faz parte da campanha #pinadecasa2021.

Esta é uma ótima oportunidade para que todos possam conhecer os trabalhos e a trajetória de um artista provocador e corajoso que morreu, em 2013, aos 56 anos. Toda a condução do vídeo é realizada e apresentada pela curadora Ana Maria Maia que, de início, conta sobre a relação íntima do Hudinilson com a Pinacoteca, onde foi professor, artista e teve até uma atuação semelhante ao papel de curador ao organizar algumas exposições.

Didático, o vídeo elucida a organização da mostra, pensada nos seguintes núcleos e o que eles representam: Museu como laboratório; Caderno como referências; Nos círculos da cidade; e as Estratégias e os riscos da erótica .

No decorrer dos 12 minutos da produção, ganham destaque as explicações sobre a videoinstalação Posição Amorosa; a característica narcisista do artista ao utilizar uma fotocopiadora do próprio museu para reproduzir partes do seu corpo nu que resultaram nas séries Exercício de me ver (1980-1984), Detalhe do detalhe (1981-1983) e até a obra Falo Gigante (década de 80).

O vídeo explora ainda o “artdoor” de Hudinilson; obras feitas em formato de outdoors que representavam essa junção do museu e a cidade, importante capítulo da sua trajetória. Neste eixo, o público poderá visualizar as duas versões do artdoor Posição Amorosa – uma delas chegou a ser replicada na fachada externa do museu para o período expositivo – e também obter informações sobre a obra mais famosa desta fase que é Zona de Tensão (1983). Na década de 80, o cartaz gerou um incômodo na vizinhança do painel produzido com uma xerografia gigante de uma parte do órgão sexual do artista. Ana Maria Maia aborda na gravação o que Hudinilson fez para contornar a situação, mas a arte permaneceu exposta.

Na Pina Estação, a mostra Hudinilson Jr.: Explícito foi composta em sua maioria de obras provenientes de uma expressiva doação, com 95 itens, realizada pela família do artista e pela Galeria Jaqueline Martins. Dentre as peças expostas, estavam fotografias, desenhos, documentos, cadernos, objetos e trabalhos em xerografia. Atualmente todo o material pertence à coleção da Pinacoteca de São Paulo e o museu se torna referência na pesquisa sobre o artista.

Veja aqui o video. 

Redação

Publicidade
Publicidade
/* ]]> */