Prédio do SESI exibe mostra de arte digital com QR Codes até dezembro

0
57

A maior galeria de arte digital a céu aberto da América Latina, a Galeria de Arte Digital SESI-SP, na avenida Paulista, será a tela da mostra inédita Arquinterface, que ficará em cartaz de 23 de outubro a 13 de dezembro de 2015, das 19h às 6h, com entrada gratuita.

Não é mais só um celular ou um computador que pode servir de interface para um artista, um prédio inteiro também pode. As tecnologias em rede abrem várias possibilidades, capazes de ultrapassar até os limites físicos da arquitetura e reinventar as cidades”, explica a cocuradora da mostra, a artista e professora da FAU-USP, Giselle Beiguelman.

Para explorar esse novo campo, o SESI-SP convidou pesquisadores, artistas, arquitetos, designers consagrados e nomes que vêm despontando neste cenário para criarem respostas à pergunta: como a arquitetura pode funcionar como suporte midiático?

Dentre as seis obras que integram a programação, cinco terão a participação do público na Alameda das Flores – travessa para pedestres em frente ao prédio do SESI/Fiesp.

Um dos destaques é a instalação interativa Eu Estou, do arquiteto e designer Guto Requena. Com o objetivo de medir as emoções individuais e coletivas, o artista convida o público a se sentar em um banco para lá de diferente e tirar uma selfie, que automaticamente será projetada na fachada do prédio.

Para fazer essa obra, Requena se inspirou no estudo do psicólogo norte-americano Phllip Shaver, sobre as seis emoções básicas do homem (amor, alegria, surpresa, raiva, medo ou tristeza), dentre as quais a pessoa poderá escolher uma para indicar o seu estado de espírito naquele momento. Depois disso, cada sentimento será representado por uma cor que tingirá a foto na fachada. No final da noite, todas as fotos clicadas se transformarão num único gráfico revelando o sentimento que mais apareceu nas pessoas durante a experiência.

A segunda obra que permite envolvimento com o público é a Paisagens Fluidas, criada pelos artistas Felipe Castellanie Alessandra Bochio. Nesta instalação o público manipulará objetos criados pelos artistas em cima de uma mesa, localizada na Alameda das Flores. Duas câmeras captam os gestos feitos com as mãos dos participantes, que serão lidos e transformados em sons e imagens tratadas, transmitidas em tempo real para a tela gigante da Galeria Digital.

Outro trabalho, fixos_fluxos, criado pelo trio de designers integrantes do grupo de pesquisa LabVisual da FAU-SPDaniela Hanns, Leandro Velloso e Maurício Galdieri, promete mexer com a rotina do paulistano. Carros, bicicletas, metrô, ônibus, helicópteros e aviões serão monitorados pelo aplicativo e site do projeto (disponível em fixos fluxos, junto com informações sobre meteorologia e qualidade do ar. A partir da leitura e do cruzamento desses dados, a Galeria Digital se transformará em um grande farol com gráficos coloridos e animados.

Já as obras #QR-Comms e a SP Aumentada apostam nos dispositivos móveis. Com elas, apontar a câmera do celular para a fachada nunca mais será a mesma coisa.

Criada pela própria cocuradora, #QR-Comms, transforma o prédio em uma enorme tela para QR-codes diversos. Cada um deles, quando decodificado pelo aplicativo, revela um dos “10 Comms”, um remix dos 10 mandamentos adaptados para a era da internet. As imagens geradas poderão ser compartilhadas automaticamente nas redes sociais, via Whatsapp, SMS e e-mail.

A proposta do projeto SP Aumentada,  do arquiteto e sócio do Garagem Fab Lablaboratório de fabricação digital Eduardo Lopes, envolve, como o próprio nome diz, o conceito de realidade aumentada. O projeto conta, de forma bem humorada, um pouco da história da Avenida Paulista, mostrando as pessoas, hábitos e arquitetura do local em uma animação computadorizada, sobreposta a estrutura real do prédio.

E a surrealidade não para por aí. A animação da designer Maya Messina, Arquiteturas Impossíveis, traz, diariamente, das 22h às 6h, uma interpretação do icônico edifício da Fiesp/SESI, composta por janelas que abrem e fecham virtualmente no prédio, revelando elementos e personagens ficcionais e poéticos.

Gostou deste artigo? Deixe um comentário!