Veja como foi a visita do Vá de Cultura na mostra do Renato Russo no MIS

0
206

Nesta semana fomos ao MIS – Museu da Imagem e do Som de São Paulo, conhecer um pouco sobre a exposição ‘Renato Russo’, que ficará em cartaz até janeiro de 2018. Como jornalista, posso dizer sem medo que esta é a maior exposição dos últimos tempos. Como fã da Legião Urbana, que foi a mais emocionante.

Nas próximas linhas você verá um pouco da nossa experiência e poderá conferir algumas dicas para aproveitar melhor a exposição.

A experiência

Vale realmente pela experiência de mergulhar no universo ‘humano’ de Renato Russo. São tantas coisinhas e detalhes entre manuscritos, roupas, rabiscos, instrumentos e cacarecos que ele juntava em sua casa, que evidenciam uma pessoa muito além do Renato Russo da mídia, dos discos e da TV. É o dia a dia dele que está ali, as coisas que estavam ao seu redor e as coisas que ele anotava, o tempo todo.

Manuscritos

Um dos momentos mais legais foi quando vi o manuscrito da música 29. Existem muitos manuscritos lá e eles são uma espécie de mapa, com marcações e figuras. É como se pudéssemos entender o processo de criação e maturação de cada música, naqueles papeis. Há também letras de canções que nem chegaram a ser gravadas.

Outras letras foram corrigidas, como o clássico ‘Geração Coca Cola’, que no segundo trecho diz: “Depois de vinte anos na escola”, na ideia original a letra seria: “Desde os vinte anos na escola”.

Universo particular de Renato Russo no MIS

No final da exposição entrevistei um rapaz que disse: “O mais legal disso aqui é que dá pra ver que o Renato Russo era um ser humano, igual a gente, e poder ter contato com objetos que ele teve contato, encostar nas coisas que ele encostou”.

Eu diria que é um pouco além disso. Na exposição há mais de mil objetos pessoais do Renato. Esses objetos estavam em seu apartamento em Ipanema, e permaneceram lá, trancados, por 20 anos.

Dentre tudo o que há na mostra dois ambientes merecem destaque. Um deles é a pequena salinha, que tem uma poltrona, uma vitrola e uma mesinha. É uma réplica da sala onde os pais do Renato costumavam ouvir música e, segundo dizem, local onde ele desenvolveu suas referências musicais.

Renato Russo no MIS
Réplica da sala onde os pais do Renato costumavam ouvir música. Foto: Denner Morais

Além disso, os objetos particulares completam a experiência. Há tanta coisa guardada que ir à exposição é realmente como ir à casa de Renato Russo. E a complexidade do cantor se reflete também nesses objetos, que vão desde anotações lógicas e racionais até artefatos religiosos e cartas de tarô. Desde estatuetas eruditas e livros de filosofia, até um estojo de canetinhas Playclor.

Objetos

Como dica a quem for à mostra, destaco alguns objetos que merecem atenção especial. O primeiro, logo na entrada, é uma foto de Renato com a Tia Edilamar, citada na música ‘O Descobrimento do Brasil’, de 1993.

Outro artefato bacana é o seu boletim escolar e um caderninho de caligrafia com uma página inteira preenchida com a frase “Não devo rasgar o caderno do colega”. Aqui dá pra ver que a personalidade ‘punk’ de Renato já era aflorada na infância.

Renato Russo no MIS
Foto: Denner Morais

E você se lembra daquele show clássico da Legião Urbana no Metropolitan em 1994? Pois é, aquela bata branca com a gola aberta e elástico nas mangas também está na exposição. Há também um pequeno alaúde, que aparece no encarte do disco ‘Equilíbrio Distante’, de 1995. Este instrumento tem características renascentistas (medieval), e retrata um pouco da personalidade sonora ‘além do rock’ que Renato Russo às vezes buscava.

Renato Russo no MIS
Bata usada por Renato Russo no show que a Legião Urbana fez em 1994 no Metropolitan. Foto: Denner Morais

 Ambientes

O primeiro ambiente já é bem impactante. Uma espécie de culto ao Punk Rock, com cartazes colados nas paredes e letreiros luminosos com frases como “Que País é Este” e “Ninguém Respeita a Constituição”, que foram escritas há mais de 20 anos e cabem perfeitamente no cenário político atual.

E como já é tradição no Museu da Imagem e do Som, a tecnologia sempre está presente nas exposições. Dois ambientes mais tecnológicos também merecem destaque. Um é o “show”, uma sala escura onde um dos concertos da Legião Urbana é projetado em enormes faixas de pano penduradas na vertical.

O outro é a área 360, onde o visitante assiste a um clipe feito por diversos músicos anônimos, fãs da banda, em 360º, com o auxílio de óculos especiais, fones de ouvido e cadeiras giratórias.

Há muito, mas muito mais pra ver na exposição Renato Russo, no MIS. São milhares de objeto reunidos em dois andares. Uma verdadeira viagem à rotina do músico e sua intimidade. Um pouco da história da Legião Urbana e de nós mesmos em cada ambiente.

É uma experiência realmente profunda e emocionante. É entender como tudo foi feito, como o Renato pensava e como ele era influenciado pelas coisas ao seu redor. E se você ficou animado(a) e pretende ir à exposição, faça como o próprio Renato Russo diria: let’s do it.

Ingressos

Os ingressos para a exposição estão à venda no site Ingresso Rápido e na bilheteria do museu por R$ 30 inteira e R$ 15 meia. Às terças-feiras a entrada é gratuita ao público, bastando retirar os bilhetes na recepção do MIS.

Programe-se

Renato Russo no MIS

Quando: Até 28/01/2018
Horário: Terça a sábado, 10h às 21h | Domingos e feriados, 9h às 19h.
Onde: MIS SP
Endereço: Avenida Europa, 158 – Jardim Europa
Preço: R$ 30 inteira, R$ 15 meia | #vádegraça às terças

 

Gostou deste artigo? Deixe um comentário!