Entenda a ‘sociedade do descartável’ nesta exposição gratuita

0
135
Adriana Rocha produzindo. Foto de Nino Rezende

Nunca houve tanta necessidade pela substituição das coisas, como hoje. Os objetos, a arquitetura, as relações, estão continuamente flertando com a urgência pelo descarte, num movimento sem fim de construção e destruição.

Refletindo essa intensidade da alta velocidade com que tudo é descartado e substituído, a artista plástica Adriana Rocha abre a exposição STILL LIFE, dia 16 de setembro, às 11h, na Galeria Rabieh, produzindo pinturas e objetos que tratam de memórias, silêncio e contemplação.

A busca pelo novo

O Sociólogo polonês Zygmunt Bauman dizia:

“os seres humanos estruturam as suas vidas na atualidade. Muito mais preocupante que a maneira como comprar coisas novas, na mentalidade atual, está a importância de poder descartar o mais rapidamente possível aquilo que consumimos, assim, abre-se espaço para essa incessante e insatisfatória busca por aquilo que é novo”.

Exemplos da “Modernidade Líquida”, conceito defendido por Bauman, são os rápidos cenários que a toda hora mudam em uma cidade, e isso a deixa cada vez mais sem memória, conforme Adriana relata:

“uma arquitetura desfigurada pelo uso de estruturas padronizadas, ou TEMPORÁRIAS, as quais riscam da paisagem urbana a história, ao optarem pela reposição constante de seus elementos”.

Adriana Rocha buscou justamente um movimento contrário aos tempos contemporâneos, resultando na nova série STILL LIFE, criando pinturas que podem ser vistas como reescrituras, em que as imagens se traduzem com colagens.

O tempo e a paisagem da periferia

Essa exposição é o resultado da experiência vivenciada em uma comunidade da periferia de São Paulo, da passagem do tempo e desgaste de lugares onde o tempo parece ser eterno, paisagens imutáveis, utópicas em sua beleza e silêncio. Desertos, espaços vazios, mares, céus, lugares abandonados, fotos apagadas, nuvens, cuja imagem está em constante mutação.

“achei importante trazer também a experiência da construção dessas casas, da destruição dos antigos barracos, do erguimento de pequenas e novas casas. Pedi então, aos moradores, que me dessem qualquer pedaço da moradia anterior, uma parede de madeira, um pedaço do chão, um tecido que servia como porta. Munida desse material como base de trabalho, escolhi imagens de plantas e vegetais como denominador comum e trabalhei sobre ele com desenhos e pequenas pinturas”.

A origem desse projeto artístico

Há cerca de 30 anos a artista trabalha em uma ONG, em uma comunidade, que atende crianças e jovens em situação de vulnerabilidade oferecendo alternativas promissoras às suas vidas. Para que isso aconteça, é preciso que eles tenham apenas o básico para reconstruírem suas vidas e isso inclui uma moradia digna e com o mínimo necessário de segurança e conforto. Dentro desse projeto de vida, mais de 500 casas foram construídas, ou reformadas nesses anos.

O motivo

O motivo escolhido trouxe a ideia de renascimento de algo que brota e se transforma. Isso dá novos significados às coisas: algo que era lixo transformado em objeto de contemplação. Exatamente como a vida de pessoas em suas novas casas e como a arte, que também continua a se reinventar, transformando e se recriando, assim como todos os ciclos da vida.

A exposição descreve a relação da sociedade moderna com o tempo, espaço, memória, construção e destruição transmutada em arte. Serão apresentadas 15 pinturas, 8 desenhos e 8 objetos.

Programe-se

Exposição STILL LIFE
Quando: 18/09 até 14/10 de 2017
Horário: Segunda a sexta, 10h às 19h | Sábados, 11 às 17h
Onde: Galeria Rabieh
Endereço: Alameda Gabriel Monteiro da Silva 147, Cerqueira César
Ingressos: Gratuitos | #vádegraça

Gostou deste artigo? Deixe um comentário!