Confira a lista com 8 cenas de comidas nos filmes de Tarantino

0
608

Ele gosta de diálogo afiado, violência épica, pés femininos e muita, mas muita comida. Tarantino, um dos mais talentosos diretores do cinema contemporâneo, nos presenteou com algumas das cenas mais memoráveis de comida da história do cinema. Ele geralmente realiza uma interação com os alimentos para esticar uma cena, dar uma pausa cômica para uma conversa difícil, ou um ar mais realista para uma situação selvagem.

Em seus filmes, o alimento se torna uma metáfora para a forma como as pessoas exercem o poder. O A empresa Hellofood, referência em pedidos de comida online, trouxe à tona o amor do Tarantino pelos hambúrgueres, os grandes cafés da manhã com ovos e bacon, cafés nos jantares e muita comida gordurosa, e resolveu elencar as 8 principais cenas de comidas nos filmes de Tarantino.

Cena 1 – O Kahuna Burger, do Pulp Fiction: Tempo de Violência

Tarantino inventou o Big Kahuna fast food junto com o Reservoir Dogs, quando um copo no cenário da cadeia aparece no fundo. No Pulp Fiction, isso começa como um instrumento de tortura e intimidador, indicando o poder de Jules (Samuel L- Jackson) que é um homem completamente dominante, e uma grande cena ilustra isso, antes de uma ação violenta, quando ele pega um pedaço do hambúrguer – uma coisa que você nunca faz. Você não oferece o hambúrguer para ninguém, ninguém mesmo. Você pode oferecer batata frita, pizza, um monte de tipo de comida, menos o hambúrguer.

Hmmmmm… Esse é muito gostoso! Vincent, já comeu um hambúrguer Big Kahuna?, diz o personagem Jules”.

Cena 2 – O Strudel, de Bastardos Inglórios

Shoshanna (Melanie Laurent) fica frente a frente com o Coronel Hans Landa (Christoph Waltz) novamente, que pede strudel de maçã para os dois e um café expresso para ele, aparentemente insinuando que ele sabe quem ela é. Ele pede um copo de leite para Shoshanna. O medo e nojo de Shoshanna dominam a cena, que gira a doceria em um símbolo de poder horripilante. Há uma insistência ousada, tanto de Landa quanto de  Tarantino, e nós apreciamos esta sobremesa deliciosa no meio deste ‘climão’.

Espere o creme!”, indaga Coronel Hans Landa.

Cena 3 – O Cereal, em Kill Bill Vol. 1

A melhor vingança dos filmes de Tarantino, Kill Bill, começa com uma velha metáfora – “Vingança é um prato que se come frio” –  e lá vêm os momentos de comida. Na primeira vingança vemos a personagem principal Beatrix Kiddo (Uma Thurman) encarando a suposta assassina, Vernita Green (Vivica A. Fox), que está esperando sua filha voltar da escola. Vernita tenta atirar na Beatrix com uma arma escondida em uma caixa de Kaboom (um cereal matinal), mas erra o tiro: Beatrix desvia e mostra suas habilidades com a faca de 8 polegadas acertando sua inimiga, deixando claro quem manda na cozinha.

Sua mãe sabia que isso ia acontecer!”, comenta Beatrix Kiddo.

Cena 4 – O Sanduiche, Kill Bill Vol.1

Beatrix (Uma Thurman) finalmente rastreia Bill (David Carradine) e, logo antes da batalha final, ele conta a história de peixinho dourado B.B’s, Emilio, enquanto ele fazia sanduíches com uma faca bem grande. Do mesmo jeito que acontece com grande parte da comida que Tarantino usa em seus filmes, o ato da preparação para comer deixa a cena com mais tensão para ser seguida por outra com violência. Nessa parte já sabemos que Beatrix e Bill provavelmente vão se matar, mas os sanduíches entram como grandes responsáveis por proporcionar um delicioso delay de suspense.

Outro dia, nossa garotinha aprendeu sobre a vida e a morte.”, comenta Bill.

Cena 5 – O bolo branco, em Django Unchained

Calvin Candie (Leonardo DiCaprio), com seus dentes encavalados e sujos, está sempre tentando entregar algum doce, durante todo o filme (inclusive, o comportamento foi retirado de hábitos reais de DiCaprio). Um momento crucial na história é a cena de 23 minutos de jantar, com o bolo branco que é a última refeição do Candie antes de ser baleado por Schultz (Christoph Waltz). O bolo cria um desses momentos hilários que o Tarantino faz tão bem: Clavin insiste que eles comeram o bolo e quando Schultz atira nele ele diz, “eu não consegui me ajudar”. “eu não pude me conter”

Agora, senhores, se vocês não se importam, juntem-se a mim na sala de estar, onde serviremos bolo branco.”, convida Calvin.

Cena 6 – A cena do jantar, em Cães de Aluguel

No primeiro filme de Tarantino, a primeira cena de Tarantino é um jantar de manhã, no qual podemos ver um monte de bandidos do mesmo naipe com gravatas finas, acabando uma refeição, debatendo sobre o significado da música Like a Virgin’ da Madonna e vários pontos de vista sobre o assunto. Tarantino mais uma vez usa uma cena de refeição por muito tempo com conversas sobrepostas, que são aparantemente irrelevantes para o enredo e ainda importante para a introdução do personagem.

Nice Guy Eddie: Você não dá gorjeta? Mr. Pink: Não, eu não acredito nisso.

Cena 7 – Nachos, em A Prova de Morte

Sentados em um bar em Austin, somos apresentados a Stuntman Mike (Kurt Russell) com uma longa cena de um gráfico horripilante, musica alta, barulho crocante, e dedos engordurados. Ele conhece seu primeiro grupo de vítimas enquanto está sentado no bar sozinho, comendo seus nachos esperando pacientemente por um encontro que parece ocorrer por acidente.

Mulheres, travessas grande de nacho, a parceria individual fascinante por aqui, como se Warren estivesse aqui. O álcool é apenas uma ajuda por aqui para todos os encontros que um bar pode oferecer”, comenta Stuntman Mike.

Cena 8 – O Screwdriver (drink), em Jackie Brown

Nós vemos Ordell (Samuel L. Jackson) tomando o drink “screwdriver” em alguma cenas importantes do filme, enquanto a encenação de Tarantino faz a gente querer tomar o  suco de laranja com vodka como Ordell. Ele é um traficante de armas, que faz lavagem de dinheiro e, por isso, o nome escolhido – a chave de fenda – se encaixa perfeitamente em seu personagem, simbolizando a arma da mentira, que ele sempre usa para enganar, assassinar, ocultando seu verdadeiros motivos.

Me dê uma dessas chaves de fenda!”, exclama Ordell.

Sobre o Quentin Tarantino

Diretor, roteirista, produtor de cinema e autor norte-americano, Tarantino ficou conhecido do grande público no início da década de 90, por escrever roteiros que fugiam um pouco dos ‘padrões’ hollywoodianos. Os memoráveis diálogos, por vezes cômicos e as cenas violentas deram uma nova cara às produções cinematográficas estadunidenses.

O diretor coleciona, em sua carreira, nada menos do que 24 indicações ao Oscar, das quais levou 4 estatuetas, além de 20 indicações para o Globo de Ouro, também com 4 conquistas.

Gostou deste artigo? Deixe um comentário!